domingo, setembro 27, 2009

Voltai para mim, diz o Senhor

Os profetas menores são absolutamente relevantes para a nossa geração. Sua mensagem é contundente, oportuna e urgente. Embora tenham vivido há mais de 2500 anos, abordam temas que estão na agenda das famílias, das igrejas e das nações.

Os profetas menores lamentavelmente têm sido esquecidos pela nossa geração. Poucos cristãos lêem e estudam com a devida atenção esses preciosos livros proféticos. Poucos pregadores, estudiosos expõem com clareza, fidelidade e profundidade esses livros no púlpito. Precisamos urgentemente resgatar a atualidades destes preciosos livros em nossos estudos, exposições e, principalmente aplicando estes livros à nossas vidas, famílias e ministérios.

No texto em destaque (Joel 2.12-14), o Eterno convoca o seu povo a se voltar para Ele. O arrependimento é o único caminho da restauração. É a única porta de escape do juízo. É arrepender-se e viver ou não se arrepender e morrer. O estudioso Dionísio Pape ressalta o fato de que não era suficiente ser o povo do Senhor. Não bastava morar na terra santa. Era necessária a conversão integral ao Senhor.

Veremos a seguir como deve ser a volta para Deus. Deus não apenas chama o seu povo a voltar-se para ele, mas detalha como deve ser essa volta.

Em primeiro lugar, é uma volta para uma relação pessoal com Deus (2.12). “[...] convertei-vos a mim ...”. Isto é magnífico, pois mostra o supremo valor da graça de Deus, pois o ofendido [Deus] é aquele que busca a restauração do ofensor [nós]; o ofendido é quem convida o transgressor a renunciar sua rebeldia.

Leslie Allen está correto quando diz que a expressão: "convertei" evoca o relacionamento pactual. O povo de Deus é como o filho pródigo que precisa voltar ao lar do Pai celestial. Não basta cair em si, é preciso voltar para casa. Não basta ter convicção de pecado, é preciso por o pé na estrada da volta para Deus. Não é apenas um retorno à igreja, à doutrina, à comunhão, a uma vida moral pura, mas uma volta para uma relação pessoal com Deus.

Em segundo lugar, é uma volta com profundidade (2.12) - “[...] de todo o vosso coração”.

O povo de Judá estava endurecido e indiferente à voz de Deus. Viviam para seus prazeres e não se importavam com as exortações do Senhor. O juízo estava à porta e eles folgavam em seus pecados. Antes do Eterno derramar seu juízo, Ele nos dá a oportunidade de nos arrependermos. Deus não aceita coração dividido (Sl 51.17). Ele não satisfaz com uma espiritualidade cênica, farisaica, hipócrita. Ele vê o coração e requer verdade no íntimo.

São muitos aqueles que, após um congresso, um retiro espiritual ou mensagem inspirativa, fazem lindas promessas a Deus. Comprometem-se a orar com mais fervor, a ler a Palavra com mais avidez, outros ainda, derramam lágrimas no altar do Senhor, fazem votos solenes, mas todo esse fervor desaparece tão rápido como a nuvem do céu e o orvalho que se evapora da terra.

Há aqueles que só andam com Deus na base do aguilhão. Só se voltam para Deus na hora que as coisas apertam. Só se lembram do Senhor na hora das dificuldades. Não se voltam a Ele porque o amam ou porque estão arrependidos, mas porque não querem sofrer. Para esses, o Eterno é descartável (Os. 5.15; 6.14). Estes possuem uma fé utilitarista.

Em terceiro lugar, é uma volta com diligência (2.12) – “[...] e isso com jejuns...”.

Deus conclama o seu povo que não aceita um arrependimento trivial, raso, transitório. Antes de serem restaurados precisam ser tomados de uma profunda convicção de pecado e de como haviam ofendido a Deus. Quem jejua tem pressa. Quem jejua está dizendo que a volta para Deus é mais importante e mais urgente que o sustento do corpo (Mt 4.4).

O jejum é instrumento de mudança, não em Deus, mas em nós. Leva-nos ao quebrantamento, à humilhação e a ter mais gosto pelo pão do céu do que pelo pão da terra. O jejum é uma experiência pessoal e intíma (Mt 6.16-18). Há momentos, porém, que ele se torna aberto, declarado e coletivo. Joel conclama o povo todo a jejuar nesse processo de volta a Deus (2.15).

O rei Josafá, numa época de profunda agonia e a de ameaça para o seu reino, convocou toda nação para jejuar, e o Eterno deu-lhe livramento (2 Cr. 10.1-4,22). A rainha Ester convocou todo o povo judeu para jejuar três dias, e Deus reverteu a sentença de morte já lavrada sobre os judeus exilados (Et. 4.16).

Em quarto lugar, é uma volta com sinceridade (2.13) – “Rasgai o vosso coração e não as vossas vestes”.

Deus não se impressiona com o desempenho humano. Ele não é movido por nossos gestos, nossa teatralização. Ele não se satisfaz com uma espiritualidade divorciada de uma vida de santidade. Ele não aceita um quebrantamento apenas exterior. Esse costume de rasgar as vestes era parte da reação cultural diante de uma crise (2 Rs. 19.1). A contrição interna é mais importante do que a manifestação externa de pesar. É o coração que deve ser atingido. É ele que deve ser rasgado.

O Eterno não se deixa enganar por nossos gestos, palavras bonitas e emoções sem quebrantamento. Deus vê o coração (1 Sm 16.7). Diante Dele não adianta “rasgar seda”: é preciso rasgar o coração. Para Deus não é suficiente apenas estar na igreja (Is 1.12) e ter um culto animado (Am 5.21-23). É preciso ter um coração rasgado, quebrado, arrependido e transformado. Um coração compungido jamais será desprezado por Deus.

Pr. Marcello de Oliveira
Fonte: A Supremacia das Escrituras

Bibliografia: Pape, Dionísio. Justiça e esperança para hoje, p. 28
Lopes, Hernandes Dias. Joel. Ed. Hagnos 2009
Wiersbe, Warren. Comentário Expositivo. Geográfica Editora – 2006

Voltai
(canção pertinente ao tema)


Download:

Seja o primeiro a comentar

Postar um comentário

  ©Orthodoxia 2006-2017

TOPO