segunda-feira, julho 18, 2011

Característica do falso crente: confiança nas próprias obras

Muitos me dirão naquele dia: Senhor, Senhor, não profetizamos nós em teu nome? e em teu nome não expulsamos demônios? e em teu nome não fizemos muitas maravilhas? E então lhes direi abertamente: Nunca vos conheci; apartai-vos de mim, vós que praticais a iniqüidade. (Mateus 7)

Uma das diferenças entre um falso crente e um crente genuíno é que o falso se achega a Deus e diz "Eu profetizei, eu expulsei, eu fiz, por isso mereço estar aqui perante o Senhor". Ele baseia a sua salvação nas próprias atitudes, nas próprias obras. E, como sabemos, a Bíblia diz que mesmo as nossas melhores obras são como trapos imundos. Inclusive, precisamos nos arrepender de nossos melhores atos se quisermos ser salvos (pois, como diz Spurgeon, eles são apenas pecados pomposos). Alguém que coloca a sua confiança em algo que ele mesmo fez, faz ou fará, ainda não entendeu a sua condição miserável de pecador, nem entendeu a natureza da morte substitutiva de Cristo pelas suas ovelhas. Cristo morreu pelos crentes, sendo que toda a culpa do pecado deles, seja dos pecados passados, presentes ou futuros, foi levada por Ele na cruz. Além disso, toda a vida perfeita de Jesus, durante seus mais de 30 anos, foi creditada a eles. Eu creio em salvação pelas obras? Sim, na salvação pelas obras de Cristo! Nessas obras é que confio, na vida e sacrifícios perfeitos de Cristo por mim.

Saulo Rodrigo do Amaral

5 Comentários:

Jair disse...

amém

Elizeu Rodrigues disse...

"Mostre-me a tua fé sem obras q eu te mostro a minha fé por minhas obras", disse Thiago. Poderíamos ficar comentando horas a fio sobre fé e obras, mas seu texto está muito conciso, claro na forma como vc abordou. Parabéns

Nossas obras, no meu réles pensamento, são os frutos, os frutos do Espírito. Quando eles estão maduros, eles servem para tudo, para qualquer "boa obra". E Jesus procura frutos em nós..

Elizeu

Saulo R. do Amaral disse...

Sim, as boas obras seguem a salvação genuína, mas nunca são a BASE para a salvação.

Juliano Heyse disse...

Muito bom Saulo! A fé reformada não teme ser chamada de antinomiana porque a santificação é real, progressiva e de dentro para fora, evidenciando-se em frutos de gratidão. Como alguém já disse, "salvação por obras é o modo padrão de funcionamento do ser humano". Precisamos do padrão bíblico, evangélico, absolutamente cristocêntrico. O resto é religião humana...

Saulo R. do Amaral disse...

Exatamente, Juliano. Boa observação.

Postar um comentário

  ©Orthodoxia 2006-2017

TOPO