sexta-feira, março 04, 2011

Não, Não, Não Agostinho!

No Enquirídio de Santo Agostinho, Capítulo 46, que ouço em momentos de folga, ele diz isso:

"Aqui está a necessidade de cada homem ter nascido de novo, que ele poderia ser liberto do pecado no qual ele nasceu. Porque os pecados cometidos depois podem ser curados através de penitência, como vemos é o caso pós-batismo."

Isso é, se o entendi, engano na melhor das hipóteses.

Não que eu queira minimizar o significado de 1 Jo 1:9 (“Se confessarmos os nossos pecados, Ele é Fiel e Justo para nos perdoar os pecados”). Mas dizer do novo nascimento como sendo o modo que somos libertos do pecado pré-batismal, e a penitência como sendo o modo de sermos libertos do pecado pós-batismal, é dar um tratamento duplo ao pecado que contradiz a forma como a morte de Cristo opera - propiciada a todos os pecados dos eleitos de Deus, passado, presente e futuro.

Aqui está uma grande evidência. Acompanhe o raciocínio do João em 1 João 2: 1-2:

"Meus filhinhos, estas coisas vos escrevo, para que não pequeis; e, se alguém pecar, temos um Advogado para com o Pai, Jesus Cristo, o justo. E ele é a propiciação pelos nossos pecados, e não somente pelos nossos, mas também pelos de todo o mundo."

No primeiro verso, João nos convida a não praticarmos nenhum pecado futuro. Mas entao ele diz que se viermos a cometer algum pecado futuro, nós temos um advogado, nesse caso, junto ao Pai.

No verso 2, ele baseia a eficácia dessa defesa ao final, uma vez por todas, propiciada pela obra de Cristo. Ele, esse advogado maravilhoso, é a propiciação pelos nossos pecados.

Portanto, a mesma propiciação que levou a picada dos nossos pecados pré-batismais, também levou a picada dos nossos pecados pós-batismais. Meus pecados futuros não são tratados de forma diferente dos pecados da minha juventude.

O sangue de Jesus, Seu Filho, nos purifica de todo pecado. 1 Joao 1:7. Todos os pecados.
------------------
John Piper
.
Tradução: Jair Kunzler
.

7 Comentários:

Clóvis Gonçalves disse...

Então,

Agostinho acertou muito bem onde acertou. Mas errou feio onde errou. O seu sacramentalismo é um exemplo, como bem ressaltou Piper.

A soteriologia de Agostinho é exemplar, a sua eclesiologia deixa muito a desejar.

Em Cristo,

Clóvis
Editor do Cinco Solas

Jair Kunzler disse...

Sim, de fato Clóvis, eu particularmente gosto muito de Agostinho, contribuiu muito no percurso da igreja. Mas cabe bem a observação, vamos reter o que é bom.

Roberto Vargas Jr. disse...

Caríssimo,
Eis o problema do mestre: seu romanismo. OK, é anacrônico, eu sei. Mas é o problema! rsrs
Sou agostiniano de carteirinha. O que não me impede de ver os erros do mestre.
Falando nisso, é bom falarmos de erros quando há erros. Não como certo grupo falando do problema do mal e imputando erro a Agostinho. Aqui não há erro, mas incompreensão de sua filosofia.
No Senhor,
Roberto

WRamiro disse...

1 João 1
8. Se dizemos que não temos pecado, enganamo-nos a nós mesmos, e a verdade não está em nós.
9. Se reconhecemos os nossos pecados, (Deus aí está) fiel e justo para nos perdoar os pecados e para nos purificar de toda iniquidade.
10. Se pensamos não ter pecado, nós o declaramos mentiroso e a sua palavra não está em nós.

Caríssimos há maior penitência, do que reconhecer o próprio pecado?

Jorge Luis disse...

Olá, achei seu blog por acaso quando procurava para material de estudo sobre teologia, patrística, iconografia, epigrafia, arqueologia bíblica, etc.

E acredito que você possa se interessar por esses blogs

http://patristicabrasil.blogspot.com/, história e patrística da igreja do século I ao VIII, todo em português.

http://iconografiascristas.blogspot.com/, Ícones antigos da igreja.

http://angelusexverum.blogspot.com, que pretende comprovar verdades da Igreja a partir de achados arqueológicos.

Jair Kunzler disse...

Bom, Roberto, fui dar uma olhada no significado gramatical da palavra penitência. E realmente existe um significado de "arrependimento por ter ofendido a Deus". Nesses termos, pude entender o que você quis dizer sobre Agostinho não ser compreendido em sua filosofia. Porém, todos os pecados foram quitados na cruz. Fato consumado. Não podemos fazer nada para merecermos o perdão, uma vez que é o Espírito de Deus que gera em nós o arrependimento. Se pecamos devemos correr para o sangue de Jesus, que nos purifica de todo o pecado.

Roberto Vargas Jr. disse...

Jair,
Não me referi ao texto aqui. aqui concordamos. Referi-me a certos racionalistas que ou não conhecem Agostinho ou lêem muito mal.
Abraço. NEle,
Roberto

Postar um comentário

  ©Orthodoxia 2006-2017

TOPO