sexta-feira, 15 de agosto de 2008

O Sabbath

O Sabbath é uma ordenança da criação (Gn. 2:2-3), que os homens eram obrigados a observar mesmo antes da chegada da lei Mosaica.2 Compare Êxodo 20:10-11 para sua interpretação de Gênesis 2:2-3. Todos os homens estão sujeitos à lei do Sabbath (observe que Cristo não disse que o Sabbath foi feito para os israelitas em Marcos 2:27, mas para o “homem” genérico). A obrigação moral de o homem observar o Sabbath é colocada corretamente ao lado das outras palavras universalmente morais do Decálogo, que foi escrito pelo próprio dedo de Deus. Quando o homem observa o Sabbath, ele está imitando corretamente o seu Criador; o descanso do Sabbath é modelado segundo o descanso de Deus na criação. Na era do Novo Pacto, esse descanso da criação se torna um sinal da esperança cristã, seu descanso celestial na consumação dessa era (Hb. 4). No princípio Deus estabeleceu Seu descanso; Cristo providencia e promete entrada a esse descanso, e na era eterna desfrutá-lo-emos. O Sabbath tem extensão universal e obrigação perpétua. Na chegada de Cristo o Sabbath foi purificado dos acréscimos legalistas feitos pelos escribas e fariseus (Lucas 13:10-17; 14:1-6; Marcos 3:1-6); o Sabbath sofreu corrupção nas mãos dos fariseus “autônomos” assim como vários outros preceitos morais (cf. Mt. 5:21-48). Além do mais, os aspectos cerimoniais e sacrificiais do ciclo dos dias de festa (“lua nova, ano do Sabbath, jubileu, etc.”) do Antigo Testamento, juntamente com aquelas observâncias cíclicas de festas, foram “tirados de uso” pela obra redentora de Cristo. Por conseguinte, Colossenses 2:16s. nos liberta dos elementos cerimoniais do sistema do Sabbath (a passagem parece estar se referindo especificamente às ofertas),3 e passagens tais como Romanos 14:5s. e Gálatas 4:10 ensinam que não precisamos mais distinguir esses dias cerimoniais (como os judaizantes eram aptos em exigir).4 Como Cristo providenciou a entrada ao descanso do Sabbath eterno de Deus mediante Sua morte substitutiva sobre a cruz, Ele torna os elementos tipológicos (e.g. ofertas) do sistema do Sabbath irrelevantes (coisas que eram uma sombra da substância vindoura de acordo com Cl. 2:17, cf. Hb. 10:1, 8). Ao realizar nossa redenção, Cristo também nos ligou à observância desse Sabbath semanal, que prefigura nosso Sabbath eterno (cf. Hb. 4). Embora os dias cerimoniais não devam ser mais distinguidos, o Novo Testamento distingue o primeiro dia da semana dos outros seis (1Co. 16:2; Atos 20:7) e denomina-o “o Dia do Senhor” (Ap. 1:10). Ao observar o Sabbath semanal, honramos Cristo que é o “Senhor” do Sabbath (Marcos 2:28), e antecipamos a vinda do descanso do Sabbath, que nosso Senhor assegurou para nós (nisso, paralelos podem ser vistos com a “Ceia do Senhor”). Em Marcos 2:23-28, Cristo e os Seus discípulos foram acusados de “fazerem o que não é lícito” no Sabbath, mas porque eles tinham violado apenas uma tradição rabínica, Cristo não se importou em contestar a acusação; ela simplesmente equivalia a nada. Não houve nenhuma contestação, pois Cristo não reconhecia a tradição dos anciãos como “lícita”. Contudo, Cristo toma isso como uma oportunidade para afirmar que Ele é “Senhor até mesmo do Sabbath”. Mediante isso Cristo confirmou definitiva e positivamente o Sabbath; de outra forma, Cristo estaria proclamando grandiosamente o Seu senhorio sobre algo que não existia. O Sabbath não morreu com o advento de Cristo ou Sua obra Messiânica; até o nosso descanso eterno, o Sabbath semanal continua a ser “dominado” por Cristo e é um tipo da realidade vindoura. “O Sabbath foi feito para o homem” (Marcos 2:27), e o homem ainda precisa se beneficiar disso. A questão do Sabbath não apresenta nenhuma contradição para a validade contínua da lei moral de Deus.

Fonte: Greg L. Bahnsen, Theonomy in Christian Ethics, Covenant Media Press, p. 226-8 em www.monergismo.com

Tradução de Felipe Sabino de Araújo Neto

1 E-mail para contato: felipe@monergismo.com. Traduzido em agosto/2008.

2 John Murray, Principles of Conduct: Aspects of Biblical Ethics (Grand Rapids: William B. Eerdmans Publishing Co., 1957), pp. 30-35.

3 Visto que a interpretação de alguém de Colossenses 2:16 deve levar em conta “comer e beber”, bem como os dias mencionados, e visto que as restrições dietéticas da lei cerimonial não incluíam “beber”, a passagem é melhor vista como as ofertas feitas em dias especiais (dias de festa, luas novas, e sabbaths) – assim como o Antigo Testamento correlaciona tais ofertas com esses dias particulares (cf. Nm. 28-29; 1Cr. 23:31; 2Cr. 31:2-3).

4 Que esses versículos não significam que o cristão não está sob nenhuma obrigação de distinguir qualquer dia de outro é claro a partir de João 20:19, 26; Atos 20:6-7; 1Co. 16:1-2; Hb. 4:9 com 10:25. Aqueles que se apegam a absolutamente nenhuma distinção de dias e a uma observação completamente internalizada e individualizada de qualquer dia, fazem com que a Escritura se contradiga.


2 Comentários:

otdx disse...

Ontem mesmo estava relendo e meditando em cima de um pequeno texto sobre o shabat.

Fico feliz que não tenha sido eu o primeiro a postar sobre o assunto. É algo que, se não soubermos bem como colocar, gera melindres e até divisões.

Não me é possível concordar com todas as idéias do Greg, como quando ele fala dos ciclos e festas, ou do primeiro dia como "O Dia do Senhor", quando em toda a Bíblia vemos claramente qual o "Dia do Senhor", mas reconheço que discernir o princípio do shabat é um grande passo; tal revelação é somente pelo Eterno.

Ano passado li um artigo muito bom dele, depois posto aqui.

Um abraço e, a propósito, Shabat Shalom!

Aline Ramos disse...

Muito bom!! Ótimo texto!! Infelizmente, muita coisa errada ou distorcida tem sido pregado sobre o Shabat - ou com profundo legalismo ou com indiferença e desdém. Creio que nenhum dos dois é o caminho. O Shabat é um Mandamento de D'us que se repete, enfaticamente, em toda a Bíblia - inclusive no Novo Testamento. Não são poucas as passagens bíblicas em que os Apóstolos ou Discípulos se reuniam nas sinagogas para estudar as Escrituras durante os Shabats. Jesus não aboliu este mandamento. Mas, sem dúvida, este ainda nos remete à esperança de nosso Shabbat eterno com o nosso Messias e Salvador!

Shalom!

Postar um comentário

  ©Orthodoxia 2006-2017

TOPO