sexta-feira, fevereiro 01, 2008

A Cruz de Cristo

Deixe-me dizer que, se o seu tipo de vida for o das "coisas", não precisará da cruz; mas se for Cristo, você aprenderá a tomar a cruz. A cruz não apenas elimina nosso pecado, mas também inibe a nossa atividade. Ela refreia nossa ação e checa nosso pecado. Muitas dificuldades surgem exatamente quando os filhos de Deus consideram correto fazer algo bom, e não percebem que o seu "bom" é meramente uma "coisa". Na presença de Deus, toda a questão se resume em Cristo, pois somente Ele é bom perante o Pai. Cristo é a própria vida. Se Ele não se mover, como o faríamos nós? Podemos pronunciar facilmente muitas palavras de conforto, mas se Ele não falar, não devemos nos atrever a falar, pois se o fizermos tocaremos a morte, ficando enfraquecidos e abalados. Podemos, sem esforço, ajudar pessoas em muitos assuntos e conquistar o louvor dos homens por termos sido compassivos; no entanto, quando começamos a ajudar dessa forma, imediatamente nos sentimos vazios interiormente. Nesse ponto vemos a cruz. Qualquer coisa que possamos realizar por meio de boas obras não requer a cruz. Somente quando permitimos que o Senhor viva em nossa vida, sendo tudo em nós, é que precisaremos da cruz. Se Ele não se mover, como podemos nos mover? Oh, quanto precisamos pedir a Deus que nos livre de nossas boas obras, da mesma forma como Lhe pedimos que nos livre de nossos pecados. Freqüentemente é mais fácil sermos libertos do pecado (porque este é em si mesmo condenável) do que da vida natural (uma vez que, para muitos, essa vida não é condenável nem precisa ser rejeitada).

Watchman Nee

1 Comentário:

Anônimo disse...

Considero o Sr. Watchman Nee fundamental para a minha "real" conversão ao evangelho de Nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo. Foi lendo "A vida Cristã Normal", uma bela interpretação da Carta de Paulo aos Romanos, que o véu caiu e a luz de Cristo brilhou em mim. Noto nos seus escritos uma profunda consciência do significado de "viver em Cristo", da vida fluindo da Videira Verdadeira.

Marco Antônio Holanda Pereira

Postar um comentário

  ©Orthodoxia 2006-2017

TOPO