segunda-feira, 18 de julho de 2011

Característica do falso crente: confiança nas próprias obras

Muitos me dirão naquele dia: Senhor, Senhor, não profetizamos nós em teu nome? e em teu nome não expulsamos demônios? e em teu nome não fizemos muitas maravilhas? E então lhes direi abertamente: Nunca vos conheci; apartai-vos de mim, vós que praticais a iniqüidade. (Mateus 7)

Uma das diferenças entre um falso crente e um crente genuíno é que o falso se achega a Deus e diz "Eu profetizei, eu expulsei, eu fiz, por isso mereço estar aqui perante o Senhor". Ele baseia a sua salvação nas próprias atitudes, nas próprias obras. E, como sabemos, a Bíblia diz que mesmo as nossas melhores obras são como trapos imundos. Inclusive, precisamos nos arrepender de nossos melhores atos se quisermos ser salvos (pois, como diz Spurgeon, eles são apenas pecados pomposos). Alguém que coloca a sua confiança em algo que ele mesmo fez, faz ou fará, ainda não entendeu a sua condição miserável de pecador, nem entendeu a natureza da morte substitutiva de Cristo pelas suas ovelhas. Cristo morreu pelos crentes, sendo que toda a culpa do pecado deles, seja dos pecados passados, presentes ou futuros, foi levada por Ele na cruz. Além disso, toda a vida perfeita de Jesus, durante seus mais de 30 anos, foi creditada a eles. Eu creio em salvação pelas obras? Sim, na salvação pelas obras de Cristo! Nessas obras é que confio, na vida e sacrifícios perfeitos de Cristo por mim.

Saulo Rodrigo do Amaral

quinta-feira, 14 de julho de 2011

A Obediência do Rei Josafá

2 Crônicas 17:1 – 21:3

E o povo de Judá se juntou para pedir socorro ao Senhor … (20:04 a)

Você não tem que ser um gênio para seguir o Senhor. Basta pedir ao Senhor qual a vontade dEle e fazer o que ele diz. Essa é a história da vida de Josafá.

“O Senhor estava com Josafá, porque quando jovem ele andou nos caminhos que seu pai Davi tinha seguido” (17:3). Ele não consultou os baalins. Ele estabeleceu o reino. Ele enviou mestres. Ele buscou a Deus e Deus o abençoou.

Ele não descobriu alguma vacina ou inventou a internet. Sua obediência era muito simples. No entanto, a sua obediência agradou ao Senhor.

O seu segredo para o sucesso era simples. Ele perguntou ao Senhor o que fazer e depois o fez. Antes de ir à guerra com Ramote-Gileade, ele advertiu a Acabe, “Buscai primeiro o conselho do Senhor” (18:4). Antes de lutar contra Moabe e Amon, Josafá orou: “Não sabemos o que fazer, mas nossos olhos estão no Senhor” (20:12).

Esta é a vida gloriosa e simples de um cristão. Você ora, faz a coisa certa, pede ajuda e diz não às coisas más. Confia no Senhor em coisas difíceis, e depende dEle para tudo. Josafá não fez tudo certo, mas ele ainda era um grande homem comum de Deus.

Nós também podemos ser, se indagarmos do Senhor qual a sua vontade e fazer o que ele diz.

Kevin DeYoung
Fonte: Blog Fiel

quarta-feira, 6 de julho de 2011

Meditar na Verdade

Como faremos isso? Como podemos transformar nosso conhecimento sobre Deus em conhecimento de Deus? A regra é simples, mas rigorosa. Devemos transformar cada verdade aprendida sobre Deus em assunto de meditação diante de Deus, conduzindo-nos à oração e ao louvor a Deus.


Temos alguma idéia a respeito do significado da oração, mas o que é meditação? É uma boa pergunta, pois a meditação é uma arte esquecida hoje em dia, e o povo cristão sofre dolorosamente por ignorar sua prática.

Meditação é o ato de trazer à mente as várias coisas conhecidas sobre os procedimentos, as peculiaridades, os propósitos e as promessas de Deus; pensar, deter-se nelas e aplicá-las à própria vida. É a atividade do pensamento santo, conscienciosamente apresentado diante de Deus, sob seus olhos, com seu auxílio e como meio de comunhão com ele.

Seu propósito é esclarecer nossa visão mental e espiritual de Deus e deixar que sua verdade produza um impacto total na mente e no coração do indivíduo. É o modo de falar consigo mesmo a respeito de Deus e de si próprio; é, na realidade, um meio de raciocinar consigo mesmo em ocasiões de dúvida e apreensão até chegar ao claro entendimento do poder e da graça de Deus.

O resultado deve ser nos humilhar, enquanto contemplamos a grandeza e a glória divinas e nossa insignificância e pecaminosidade, e nos encorajar e tranqüilizar — "confortando-nos", no velho e forte sentido bíblico da palavra —, enquanto contemplamos as riquezas insondáveis da divina misericórdia manifestada no Senhor Jesus Cristo. Estes foram os pontos salientados por Spurgeon na passagem que citamos no início, e eles são verdadeiros. À medida que penetramos mais e mais profundamente nessa experiência de sermos humilhados e exaltados, nosso conhecimento de Deus aumenta, e com ele nossa paz, força e alegria. Que Deus nos ajude a pôr em uso nosso conhecimento sobre ele, e que possamos todos, na verdade, "conhecer o Senhor".


J.I. Packer, O Conhecimento de Deus, pg 17.

  ©Orthodoxia 2006-2017

TOPO