quinta-feira, abril 15, 2010

A Mãe de Deus

A igreja corretamente chama Maria pelo título de “Mãe de Deus”. Mas o termo é um tanto ambíguo e pode ser facilmente mal interpretado. Alguns protestantes podem precisar de uma pequena explicação, enquanto alguns católicos podem se beneficiar com uma gentil admoestação contra seu uso incorreto.

O Credo de Calcedônia, 451 d.C., inclui o termo grego “theotokos” para definir a identidade de Cristo. “Theotokos” significa literalmente “portadora de Deus”, que é imprecisamente traduzido para o latim como “Mater Dei” – Mãe de Deus. O termo foi usado para realçar o fato de que a criança nascida de Maria era realmente Deus e assim evitar o erro de dizer que Cristo era duas pessoas em um corpo ao invés de uma. Esta heresia, “Nestorianismo”, foi condenada no Primeiro Conselho de Éfeso em 431 d.C.

O Credo afirma que Cristo foi “gerado segundo a divindade pelo Pai antes de todos os séculos, e nestes últimos dias, por nós e para nossa salvação, nascido da Virgem Maria, mãe de Deus, segundo a humanidade.”

O credo não ensina que Maria é a mãe da divina natureza de Cristo. Como Deus, Cristo não tem início nem mãe. De fato o credo explicitamente diz que Ele foi gerado “antes de todos os séculos”. Além disso, o credo qualifica o significado de “theotokos” com a frase “segundo a humanidade”, ou, numa outra tradução, “nascido da virgem Maria, que é portadora de Deus em respeito a humanidade dele”. É apenas a natureza humana de Cristo que se relaciona com Maria, de quem Ele nasceu e era descendente.

Reconhecidamente Católicos e Evangélicos estão unidos na doutrina de Cristo. Nós cremos que nosso Senhor é uma Pessoa única. Ele é eternamente Deus; Ele também se tornou homem. Então é igualmente correto lhe chamar de ambas as formas, “Deus” e “homem”, e por esta razão, não hesitamos em chamar a sua mãe de Mãe de Deus.

Infelizmente alguns têm usado esse termo de forma errada para atribuir a Maria um papel o qual o Senhor nunca pretendeu. Alguns católicos acham que Maria tem uma autoridade maternal sobre seu Filho e por isso pedem à Maria que interceda por eles, porque crêem que Ele nunca vai desobedecer as ordens de sua mãe.

Surpreendentemente em seus dias de humilhação, o filho de Deus não apenas se tornou um bebê, mas como criança se submeteu à autoridade de suas criaturas – seu suposto pai, José, e sua mãe, Maria. Claro que Ele não mais se encontra sob tal autoridade paternal. Até mesmo durante seu ministério público terreno, Ele foi guiado apenas pelo Espírito Santo para fazer a vontade do Pai. Agora, após a ressurreição e ascensão, Cristo está sentado à direita da Majestade e tem todo poder sobre sua igreja e criação. Maria não tem autoridade sobre Jesus, pelo contrário, Jesus é o Senhor e Salvador de Maria.

Portanto, vamos manter nossos olhos fixos em Jesus. Lembremo-nos que para nossa salvação Ele nasceu da abençoada virgem mãe, e foi feito humano como nós, para que pudesse ser pregado em uma cruz e derramar seu sangue inocente por nossa redenção. Também devemos lembrar que o homem Cristo Jesus não é nenhum outro senão o eterno Filho de Deus. Ele não ignora as súplicas de seu povo, nem reluta em salvar aqueles que vão ao Pai através dEle. Vamos com confiança para Cristo. Devemos crer nEle com nossas almas e O louvar como nosso Deus.

Dr. Joseph Mizzi

Fonte: http://justforcatholics.org/
Tradução: Zoênio Gueiros Neto
Extraído do site Monergismo

Seja o primeiro a comentar

Postar um comentário

  ©Orthodoxia 2006-2017

TOPO