sábado, 3 de maio de 2008

O Conhecimento Dinâmico de Deus

Este texto expressa uma visão aprimorada, nua e crua, sem ilusões, de como Deus age conosco, para que possamos, realmente, conhecê-lo:

"Vinde, e tornemos para o Senhor porque ele despedaçou e nos sarará; fez a ferida, e a ligará. Depois de dois dias nos dará a vida: ao terceiro dia nos ressuscitará, e viveremos diante dele. Conheçamos, e prossigamos em conhecer ao Senhor; a sua saída, como a alva, é certa; e ele a nós virá como a chuva, como a chuva serôdia que rega a terra. " (Os 6:1-3)

O grande drama da cura de Deus é que ela, na maioria das vezes, é precedida por uma ferida, também de Deus. Antes de um cirurgião remover um tumor, ele precisa usar o bisturi para cortar. Não se pode curar sem operar e não se pode operar sem ferir. Esta é uma lei óbvia para quem trata responsavelmente das raízes dos problemas das pessoas.

Precisamos conhecer a Deus neste sentido. É comum pularmos os dois primeiros versículos do texto mencionado, fugindo do seu contexto e teorizar ou racionalizar o conhecimento divino. Porém, conhecer a Deus na essência, é experimentar o que Oséias experimentou. O conhecimento de Deus começa com as feridas que ele mesmo abre em nossas vidas: "... ele despedaçou, e nos sarará, fez a ferida, e a ligará."

Toda pessoa e ministério poderosamente usados por Deus precisa poder dizer o que Paulo disse: "Trago no meu corpo as marcas de Cristo". Da mesma forma, Isaías descreve o Messias como "ferido de Deus". Jacó, também, foi atingido pela espada do anjo do Senhor.

Deus sabe como nos ferir no ponto certo. Ele tem a perícia de um exímio cirurgião.

Existe, porém, uma diferença entre a ferida e a cicatriz. A cicatriz nada mais é que a ferida curada. A marca e a lembrança existem, porém, a dor, a vergonha, a vulnerabilidade foram totalmente superados.

É importante mencionar, não apenas as "feridas de Deus", mas as "cicatrizes de Deus". Acima de tudo Deus é um Deus de cicatrizes. A essência da unção messiânica é restaurar a cana quebrada e reacender o pavio que fumega. Cada cicatriz de Deus representa uma tremenda gama de experiências profundas que redunda num conhecimento divino legítimo e palpável. Isto pode ser perfeitamente traduzido pelas palavras de Jó após todo o seu sofrimento:

"Eu te conhecia só de ouvir mas agora os meus olhos te vêem. Por isto me abomino, e me arrependo no pó e na cinza". (Jó 42:5, 6)

Conhecer a Deus não é meramente ser um expert em Bíblia e teologia. Na verdade, na mesma proporção que alguém torna-se um exímio defensor de suas doutrinas, pode também assimilar uma tendência de tornar-se não ensinável, independente, fechado para a diversidade e anti-sinérgico.

Este tipo de bloqueio engessa o crescimento e peca contra a progressividade da revelação divina. Este é o doentio processo de tradicionalização da mente.

É crucialmente necessário manter uma postura de flexibilidade capaz de não desprezar o "velho" como também, não nos fechar para o "novo" de Deus:

"E disse-lhes: Por isso, todo escriba que se fez discípulo do reino dos céus é semelhante a um homem, proprietário, que tira do seu tesouro coisas novas e velhas". (Mt 13:52)

Segundo Oséias, conhecer progressivamente a Deus é o processo onde Deus fere, trata da ferida, cicatriza, vivifica e ressuscita. Em cada processo cirúrgico, Deus vai removendo tudo aquilo que impede nossa fé em relação ao seu caráter. Quanto mais esta fé cresce, tanto menos valorizamos as crises circunstanciais. A adoração e uma perspectiva sólida da grandeza de Deus brotam poderosamente em nossas vidas.

Marcos de Souza Borges (Coty) - O Obreiro Aprovado

Seja o primeiro a comentar

Postar um comentário

  ©Orthodoxia 2006-2017

TOPO